Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Reforma proporciona retomada do emprego, diz Nogueira em demissão

Ministro do Trabalho pediu demissão para tentar se reeleger deputado; governo nomeará Pedro Fernandes

Renan Truffi e Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

27 Dezembro 2017 | 19h57

BRASÍLIA - Em carta de demissão divulgada nesta quarta-feira, o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, disse que a reforma trabalhista "quebrou" com 75 anos de imobilismo" e colocou o "Brasil ao lado das nações mais desenvolvidas do mundo". O documento faz uma espécie de balanço de sua passagem pelo cargo.

Nogueira deixou o posto hoje. O PTB indicou para o seu lugar o deputado Pedro Fernandes (PTB-MA). "Com perseverança e convicção, desde o primeiro dia de trabalho buscamos a meta estabelecida por Vossa Excelência: modernizar as relações de trabalho no Brasil", diz Nogueira na carta.

"Com a vigência da Lei da Modernização Trabalhista quebramos 75 anos de imobilismo, e o futuro finalmente chegou em terras brasileiras. Saímos de um modelo de alta regulação estatal para uma forma moderna de autocomposição dos conflitos trabalhistas, colocando o Brasil ao lado das nações mais desenvolvidas do mundo", afirmou.

No documento, Nogueira afirma também que essas medidas proporcionaram uma "ampla retomada da empregabilidade". Outro destaque feito pelo ministro foi a liberação de recursos do Fundo de Garantia. "Na qualidade de presidente do Conselho Deliberativo do FGTS, em uma ação do conjunto do Governo, empreendemos a liberação de mais de 45 bilhões de reais do fundo aos trabalhadores brasileiros", disse.

Ao final do texto, o ministro confirma intenção de se candidatar à reeleição como deputado federal pelo seu Estado, o Rio Grande do Sul. "Como decidi que apresentarei meu nome à elevada apreciação do povo gaúcho nas eleições do ano que vem, e de forma coerente com aquilo que sempre preguei, venho por meio desta pedir minha exoneração do cargo de Ministro de Estado do Trabalho. Volto à Câmara dos Deputados, de onde continuarei a defender de forma aguerrida as reformas que modernizem a sociedade brasileira", complementou.

Leia a carta na íntegra:

"Senhor Presidente, estimado amigo Michel Temer:

Há passagens na vida de um homem que marcam definitivamente a sua história.

Servir ao país na qualidade de Ministro do Trabalho no governo diligentemente chefiado por Vossa Excelência certamente é um desses marcos.

Com perseverança e convicção, desde o primeiro dia de trabalho buscamos a meta estabelecida por Vossa Excelência: modernizar as relações de trabalho no Brasil.

Temos o sentimento de dever cumprido.

Sob sua orientação, entregamos à sociedade uma proposta de modernização da legislação trabalhista fruto do consenso, motivo pelo qual 5 das seis maiores centrais sindicais e as 3 maiores centrais de empregadores estiveram no ato de assinatura do projeto de lei enviado ao Congresso Nacional.

Com a vigência da Lei da Modernização Trabalhista quebramos 75 anos de imobilismo, e o futuro finalmente chegou em terras brasileiras. Saímos de um modelo de alta regulação estatal para uma forma moderna de autocomposição dos conflitos trabalhistas, colocando o Brasil ao lado das nações mais desenvolvidas do mundo.

A par disso, na qualidade de presidente do Conselho Deliberativo do FGTS, em uma ação do conjunto do Governo, empreendemos a liberação de mais de 45 bilhões de reais do fundo aos trabalhadores brasileiros.

Como resultado de tudo isso, vemos a ampla retomada da empregabilidade, a maior de todas as preocupações desse governo que até a data de hoje tive a honra de participar.

Como decidi que apresentarei meu nome à elevada apreciação do povo gaúcho nas eleições do ano que vem, e de forma coerente com aquilo que sempre preguei, venho por meio desta pedir minha exoneração do cargo de Ministro de Estado do Trabalho. Volto à Câmara dos Deputados, de onde continuarei a defender de forma aguerrida as reformas que modernizem a sociedade brasileira.

Pelo Rio Grande e pelo Brasil seguiremos irmanados nessa mesma luta. Com meus mais sinceros votos de apreço, admiração e respeito, subscrevo-me cordialmente.

Brasília, DF, em 27 de dezembro de 2017.

Ronaldo Nogueira" 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.