Reforma política deve se resumir a flexibilizar fidelidade

A preocupação em flexibilizar a fidelidade partidária é tão grande no Congresso que essa mudança deverá ser a única a ser aprovada dentro da reforma política. Para impedir futuras cassações e permitir mudanças por conveniências políticas, deputados e senadores devem aprovar projeto que cria uma janela de 30 dias, a cada 4 anos, para que os parlamentares possam trocar de legenda, sem precisar apresentar justificativa.Apelidada de "janela da traição", a idéia ganhou força entre os partidos da base do governo. Essas legendas foram justamente as que receberam a maior migração de novos parlamentares, oriundos de partidos hoje na oposição (DEM, PSDB e PPS). Longe do poder federal desde 2002, esses partidos viram seus parlamentares aderirem à base governista.Originalmente, a reforma política pretendia definir novas regras para questões como financiamento público de campanha, cláusula de barreira, coligações, sistema de votação e extinção ou não da reeleição para cargos executivos. Mas falta consenso e nada disso deverá sair do papel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.