Reforma política ainda é prioridade, avisa PT

Representantes do governo e do PT se esforçaram na sexta-feira para assegurar que o debate sobre a reforma política não perderá força agora que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi reeleito. Pelo contrário, a reforma estará entre as prioridades do segundo mandato, segundo os ministros Luiz Dulci (Secretaria-Geral da Presidência) e Tarso Genro (Relações Institucionais) e o presidente interino do PT, Marco Aurélio Garcia, que estiveram em São Paulo para participar do seminário Reforma Política e Cidadania, promovido pela Fundação Perseu Abramo, ligada ao PT.?Acho que a reforma política é uma interpelação da crise democrática vivida no País?, disse Tarso. Para ele, o Brasil precisa dar uma resposta à crise de representatividade que se formou com as denúncias de corrupção envolvendo parlamentares e integrantes do Executivo.Garcia disse que o País está no processo de garantir crescimento econômico combinado à redução das desigualdades sociais, mas classificou a demora em promover a reforma política como a origem das dificuldades enfrentadas pelo governo Lula no primeiro mandato. ?Temos que nos dar conta de que os problemas fundamentais que o País enfrentou nos quatro primeiros anos de governo do presidente refletem o fato de não ter sido assumida a reforma política como prioridade fundamental?, disse Garcia. ?Essa é uma autocrítica que o governo deve fazer, pois pagamos um preço muito alto por isso?, acrescentou.?Há um clamor da sociedade brasileira pela reforma política?, afirmou Dulci, lembrando que o assunto foi discutido em outros momentos da história, mas não se concretizou. ?Estamos diante de uma oportunidade histórica de realizá-la.?Apesar de discordarem em alguns pontos, os petistas se mostraram alinhados em pelo menos dois temas que devem entrar em um projeto de reforma política: a fidelidade partidária e o financiamento público de campanhas. Para Tarso, o fato de o Estado assumir os gastos das campanhas pode não solucionar totalmente a influência do poder econômico no processo eleitoral, mas ajudará a amenizá-lo. ?Para reduzir a influência de corporações, o financiamento público, na minha opinião, é um instrumento, embora não seja perfeito?, disse.Entre as propostas colocadas no evento, estiveram também o voto por lista e o fim das coligações em eleições proporcionais. ?Se nós conseguirmos arrancar essas quatro coisas, está ótimo?, disse o secretário de Relações Internacionais do PT, Valter Pomar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.