Reforma da Prevídência terá de ser alterada, diz Paim

O vice-presidente do Senado, Paulo Paim (PT-RS) previu que o governo não conseguirá manter intacta a proposta da reforma da Previdência. Segundo ele, se o texto não for mexido na Câmara será alterado no Senado, em pontos vitais como a idade para a aposentadoria, reajuste dos servidores inativos e o redutor de pensões. "Cerca de 80% da base de apoio do governo no Senado estão a favor da reforma, mas querem fazer mudanças", justificou. Paim disse que o próprio ministro-chefe da Casa Civil da Presidência, José Dirceu, tem consciência de que a reforma não é imutável, como deixou claro na semana passada, quando o recebeu acompanhado de representantes de entidades do servidor público. Na ocasião, o ministro, segundo Paim, sugeriu que os sindicalistas façam suas reivindicações no Congresso. Com relação à aposentadoria do Judiciário, o senador acredita que o ideal seria definir uma contribuição pública, com base no teto salarial menor que R$ 17 mil proposto pelo governo, e a partir daí juízes e membros do Ministério Público criariam uma previdência própria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.