Reforma da Previdência não é para tributar os velhinhos, diz Berzoini

Numa resposta aos críticos da reforma do sistema de aposentadorias, o ministro da Previdência, Ricardo Berzoini, disse hoje que a proposta não é para "tributar os velhinhos". Segundo ele, a taxação dos inativos é uma "contribuição solidária". O ministro também procurou negar a possibilidade de ser elevado o piso de isenção para a cobrança da contribuição previdenciária de 11% dos servidores inativos de R$ 1.058 para R$ 2.400, um dos pontos da proposta. "A acusação de que queremos tributar os velhinhos é pesada", disse ao participar do seminário "Reformas: raça, gênero e políticas de inclusão social" no Senado. Sentado ao lado de um dos principais críticos da reforma, o senador Paulo Paim (PT-RS), organizador do evento, o ministro procurou rebater os questionamentos contra as mudanças e atacou as visões "sectárias". "Vou falar sobre a saudável provocação do senador Paim que citou a frase de uma faixa que foi vista em Porto Alegre com os dizeres: ?O sonho acabou, Lula mudou?. Eu diria que o sonho daqueles que olham o mundo com o perfil bastante sectário com certeza fica mais distante no governo do presidente Lula", declarou Berzoini, num claro recado aos radicais do PT e a setores dos servidores públicos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.