Reforma avança e Tarso Genro assume Justiça na sexta-feira

Depois de cinco meses de idas e vindas, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva começará a parte principal da reforma ministerial na sexta-feira, quando o atual titular das Relações Institucionais, Tarso Genro, assumirá o Ministério da Justiça. Advogado trabalhista e adversário do ex-chefe da Casa Civil José Dirceu, Tarso substituirá Márcio Thomaz Bastos, que, antes mesmo da reeleição de Lula, avisou o presidente que não poderia mais continuar no cargo.Com a sucessão na Justiça, Lula dá continuidade às mudanças na Esplanada, a rigor iniciada com a posse de José Antonio Dias Toffoli na Advocacia-Geral da União na segunda-feira. O restante da mudança pode ser feito em duas etapas.O PT perderá a articulação política do governo: para a cadeira de Tarso o escolhido é o ministro do Turismo, Walfrido Mares Guia, filiado ao PTB. Sondada nesta Terça-feira a pedido de Lula, a ex-prefeita Marta Suplicy avisou emissários que aceita ocupar o lugar de Walfrido no Turismo. Diante do sinal verde, Lula fará o convite a Marta. Ao que tudo indica, a pasta não será ?turbinada? com o orçamento da Infraero. A idéia de retirar a Infraero da alçada do Ministério da Defesa para agregá-la ao Turismo foi apresentada a Lula ainda no ano passado por Walfrido, em meio à crise do setor aéreo. Mas não vingou.Na prática, Marta e Walfrido são as duas principais novidades da reforma ministerial. Ainda nesta terça-feira, às vésperas de deixar a coordenação política do Planalto, Tarso conversou com o presidente do PDT, Carlos Lupi, e, em nome de Lula, o convidou para a Previdência. Pediu, porém, mais fidelidade do PDT, manifestando decepção com o comportamento do partido - que, na semana passada, votou em peso a favor da CPI do Apagão Aéreo. Bronca assimilada e convite feito, Lupi renovou os compromissos com a coalizão.Lula terá nova reunião nesta quarta-feira com o presidente do PMDB, deputado Michel Temer (SP), e com o líder do partido na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN). A bancada de deputados reivindica para o partido o quinto ministério, da Agricultura, hoje controlado pelo PT. O ministro da Saúde será mesmo José Gomes Temporão. O deputado Geddel Vieira Lima (BA) irá para a Integração Nacional.Um dia depois de Lula ter pedido às correntes do PT que arquivem as disputas internas, a Executiva Nacional petista reuniu-se para tentar um acordo sobre cargos. Mas as brigas continuaram. A tendência ?Movimento PT?, que abriga o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (SP), não aceita ficar fora da Esplanada e quer indicar o deputado Geraldo Magela (DF) para a Previdência - prometida ao PDT. O Campo Majoritário pede a nomeação do deputado Maurício Rands (PE) para o cargo.?Não vamos entrar em disputa com o PDT?, disse o presidente do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP). ?Não é justo que o Movimento PT, a segunda maior corrente do partido, não seja contemplado na reforma ministerial?, desabafou a deputada Maria do Rosário (RS), uma das vice-presidentes do partido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.