Reforma agrária criará 3 milhões de empregos, diz Stédile

O líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, João Pedro Stédile, defendeu, em carta dirigida aos militantes do MST, que a reforma agrária deve ser tratada pelo governo como um plano de desenvolvimento que esteja ligado, entre outras ações, à implantação de agroindústrias. Segundo ele, a reforma agrária poderá criar, a curto prazo, mais de 3 milhões de empregos. "Com ela (reforma) é possível combater não só a pobreza, mas também o desemprego, que é o principal problema de nosso povo", disse. De acordo com o líder dos sem-terra, "todas as forças sociais reunidas na Coordenação de Movimentos Sociais estão exigindo mudanças na política econômica e adoção de um novo projeto."Stélide também disse que suas palavras foram manipuladas durante a plenária de movimentos sociais do Mato Grosso do Sul. Na ocasião, o líder do MST afirmou que o chamado "abril vermelho" tinha o objetivo de "infernizar" o governo (ou "azucrinar", como amenizou depois). "A manipulação foi evidente e logo toda a imprensa repercutiu como se fosse o fim do mundo", escreveu no carta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.