Reestruturação da Anhembi exigirá R$ 2 mi

A prefeitura de São Paulo vai investir R$ 2,16 milhões na reestruturação da Anhembi Turismo. A empresa, que além de administrar o palácio das convenções e de exposições é responsável também pela política de promoção e marketing turístico, pretende concentrar esforços na exploração do turismo de eventos e entrar na briga com outras capitais brasileiras pela atração de visitantes.Uma das providências é retomar as obras do hotel Anhembi, aquele "esqueleto" abandonado há anos ao lado do palácio e do sambódromo, na Marginal Tietê, explicou o novo presidente da companhia, Eduardo Sanovicz, que participou hoje de encontro com representantes de empresas especializadas na atração de estrangeiros, no Paulista Wall Street, em São Paulo. Outra medida será articular uma ação conjunta com agentes econômicos e turísticos para criar uma estrutura de atração de turistas. A idéia é prolongar para o fim de semana a estada de viajantes que visitam a cidade para participar de feiras ou outros eventos. E para isto apostam no potencial cultural, gastronômico e econômico de São Paulo. Estima-se que a indústria de turismo seja responsável pelo ingresso anual de R$ 4,4 bilhões à cidade para os cerca de 70 mil eventos, gerando 435 mil empregos. A área total do município destinada a convenções é de 220 mil metros quadrados, excluindo os espaços de hotéis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.