Reeleita, Marta vai repactuar a dívida de São Paulo

A prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT) disse hoje, que se for reeleita, vaipropor ao governo federal um novo pacto para a dívida da cidade, que hoje é de cerca de R$ 27 bilhões. ?Se reeleita, eu vou sentarcom o meu querido presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e vou repactuar a dívida de São Paulo. Vou fazer isso da melhor formapara o cidadão que mora nessa cidade, porque é ele quem acaba sendo penalizado com essa imensa dívida feita em gestõesanteriores?, afirmou Marta, após assistir a um culto na Igreja Batista da Graça, em Ermelino Matarazzo, na zona leste da capital.A prefeita, candidata à reeleição defendeu a tese do secretário municipal de Finanças, Luiz Carlos Ferreira Afonso, publicadaontem pelo Estado, de prorrogação do prazo para as administrações públicas enquadrarem suas dívidas no limite estabelecidopela Resolução 40, editada pelo Senado. ?Eu acho que o secretário de Finanças tem razão quando diz que esse prazo precisaser ampliado, mas isso não é coisa para se discutir agora.Marta também conta com a adesão de vários Estados e municípios para resolver a situação da dívida. ?O que temos deperceber é que essa situação afeta Estados e municípios. O Estado de São Paulo também foi muito prejudicado com esses jurosque ocorreram na época do governo federal do PSDB. O Alckmin tinha R$ 62 bilhões de dívida e hoje tem R$ 100 bilhões.? Apóso culto, a candidata petista fez um discurso a cerca de 200 fiéis. Falou sobre as suas principais bandeiras de campanha, comoos CEUs e o bilhete único. Depois visitou a 13.ª Festa das Nações, no Largo 1.º de Maio, em Ermelino Matarazzo. Acompanhadado marido Luiz Favre, e de correligionários, a prefeita percorreu algumas barracas de comidas típicas de vários países. Durante acaminhada foi hostilizada por jovens que estavam na festa. Alguns xingaram a prefeita e outros gritavam nomes de seusadversários como os candidatos Paulo Maluf (PP) e José Serra (PSDB). Mais tarde, a prefeita apareceu na festa junina no clubeJuventus, na Moóca, zona leste.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.