Nelson Almeida/AFP
Nelson Almeida/AFP

Reeleição vira tema de encontro da direita em São Paulo

Conferência de Ação Política Conservadora debateu a necessidade de união dos conservadores

Adriana Ferraz, Aline Bronzati e Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

13 de outubro de 2019 | 05h00

A Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC) realizada na sexta-feira e no sábado em São Paulo serviu de plataforma para a pavimentação da candidatura do presidente Jair Bolsonaro à reeleição em 2022. Um dos principais temas do evento - versão brasileira do maior encontro conservador dos Estados Unidos - foi a necessidade de unidade da direita, que vive hoje, um ano após a eleição de Bolsonaro, uma série de disputas nas redes sociais e riscos de cisão do PSL, partido do presidente. Palestrantes recorreram à "ameaça de volta da esquerda" ao poder como argumento em favor da unidade da direita.

Coube à ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, fazer o discurso com o mais forte teor eleitoral. "Isso aqui vai dar tão certo que vamos ficar 4, 8, 12 anos", disse ela. "Estou falando de reeleição, sim. Quatro anos não bastam para mudar. Precisamos de 12 anos", completou a ministra.

Damares pediu que os participantes do evento começassem a organizar candidaturas a prefeito e chapas de vereadores em suas cidades com vistas às eleições do próximo ano. Segundo a ministra, se Bolsonaro não aceitar a tarefa de continuar no governo, a direita precisa encontrar outro nome como candidato para não deixar que os adversários, a quem ela comparou com o "cão", voltem ao poder.

A recomendação de Damares já vem sendo seguida pelos participantes da CPAC. "Vamos lançar candidaturas em umas 20 ou 30 cidades", disse o assessor parlamentar Nokolas Ferreira, 23 anos, coordenador do movimento Direita Minas.

A ameaça de a esquerda voltar ao governo foi usada também pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que chegou a chorar duas vezes durante sua fala ao fazer um apelo pela unidade da direita. "Temos de nos unir e superar divergências. Pelo amor de Deus, temos a chance de nossas vidas. Para nunca mais permitir que essa gente [a esquerda ]volte e faça o que eles fizeram."

Assessor especial da Presidência para assuntos internacionais, Filipe Martins afirmou que Bolsonaro representaria hoje "um símbolo aglutinador por tudo que lutamos". "Pensem só que o vai acontecer com cada um de nós quando - quando não, porque isso não vai acontecer -, mas caso o nosso presidente fosse tirado do poder?"

Disputa

O discurso de união da direita para enfrentar a esquerda tem como pano de fundo a disputa entre o grupo político de Bolsonaro e o deputado Luciano Bivar (PE), presidente do PSL, pelo controle do partido. Segundo auxiliares, Bolsonaro avalia deixar a sigla e tenta encontrar uma brecha jurídica para evitar que os parlamentares que o acompanharem numa eventual saída não fiquem sem mandato. Nessa disputa, Bolsonaro já pediu a Bivar uma relação completa de fontes de receitas e despesas do PSL, com o objetivo de submeter o material a uma auditoria externa.

Na tentativa de evitar a consumação do racha, o líder do PSL no Senado, Major Olímpio, disse no sábado que vai tentar marcar reunião entre Bolsonaro e a liderança do partido. Segundo ele, depois que a crise se tornou pública, ele e Bivar não conversaram com o presidente.

"Não tivemos oportunidade de conversar. Possivelmente, conversaremos no início da semana, a partir de segunda-feira. Talvez a gente converse em São Paulo. Espero que avance positivamente", disse ele, que vê na crise a interferência do deputado Eduardo Bolsonaro (SP) e do senador Flávio Bolsonaro (RJ), filhos do presidente.

'Batalha'

Ainda na sexta-feira, na abertura da CPAC, Eduardo disse que o objetivo do encontro era construir uma organização conservadora para atuar no Brasil e na América Latina. "A eleição foi só a primeira batalha e, sem a ajuda de vocês, a gente vai perder essa guerra", afirmou. "A gente quer fazer da tsunami de 2018 uma onda conservadora permanente."

Durante os dois dias da conferência, os 1.200 participantes discutiram formas de difundir temas como a liberdade econômica e o combate ao "globalismo" e ao "climatismo". Em discurso feito no sábado, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, disse que "o climatismo está para a mudança climática assim como o globalismo está para a globalização".

Ele ainda criticou a ONU, a ativista sueca Greta Thunberg e até o filósofo iluminista francês Voltaire - que "começou a querer lacrar" quando teria desrespeitado "a fé e a monarquia francesa". Ao contrário dos EUA, onde a CPAC reúne vários setores da direita, a versão brasileira ficou restrita à ala mais ideológica do bolsonarismo, representada pelos discípulos do escritor Olavo de Carvalho.

O evento contou com a participação de algumas estrelas do conservadorismo dos EUA, como o senador Mike Lee, a ativista Katty Dillon e o presidente da American Conservative Union (ACU, entidade que criou a CPAC), Matt Schlapp, que também defendeu a necessidade de união da direita

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.