Fabio Motta|Estadão
Fabio Motta|Estadão

'Reeleição de Rodrigo Maia à Presidência da Câmara é solução natural', diz Alckmin

O governador de São Paulo, no entanto, afirmou que a discussão cabe à área federal e ao Legislativo

José Roberto Gomes, O Estado de S.Paulo

05 de novembro de 2016 | 13h28

SÃO PAULO - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou na manhã deste sábado, 5, que a reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) para a presidência da Câmara dos Deputados "é uma solução natural" para a Casa. O tucano, contudo, afirmou que "essa discussão cabe à área federal e ao Legislativo". "Não pretendemos interferir", resumiu a jornalistas após participar da solenidade de abertura do 1° Feirão Morar Bem, Viver Melhor, realizado na capital paulista. O evento imobiliário é voltado a servidores estaduais e a inscritos no auxílio moradia.

No último dia 3, a Coluna do Estadão revelou que o PSDB pode lançar algum nome para a presidência do Senado, em 2017, caso seja preterido pelo Palácio do Planalto na disputa pela Câmara dos Deputados. Já o governo simpatiza com o plano de reeleger Maia, embora, oficialmente, afirme que não exerce influência.

Durante o evento em São Paulo, Alckmin também comentou sobre a PEC do Teto dos Gastos Públicos. Conforme ele, a proposta não "limita a saúde à inflação", ressaltando que essa área não será afetada no próximo ano, caso a PEC seja, de fato, aprovada. "A PEC limita despesas primárias, ou seja, pessoal, custeio e investimentos", afirmou o governador.

Sobre o evento, realizado pela Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) e pelo Sindicato da Habitação (Secovi-SP), em parceria com o governo paulista, Alckmin afirmou que a iniciativa contribui "para a retomada da economia do País". De acordo com ele, o Feirão, que ocorre entre hoje e amanhã, é estruturado em três eixos: o setor privado, com descontos em moradias; o governo federal, via Caixa Econômica, com financiamentos; e o governo estadual, que está subsidiando a compra de imóveis com cheques-moradias de até R$ 40 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.