Redes de TV articulam nova entidade sem a Globo

As redes de televisão Record, Bandeirantes e SBT articulam a formação de uma nova entidade, que represente os seus interesses diante do governo. O objetivo dos proprietários das três redes é impedir que a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), da qual já se desligaram, continue a falar em seu nome."As autoridades vão ter que se dirigir também a nós, que constituímos a maioria das emissoras", disse Luiz Eduardo Borgerth, consultor do SBT. Após ter trabalhado como diretor da Abert durante 25 anos, o consultor assegura que aquela entidade representa sobretudo os interesses da Rede Globo.A decisão de criar uma nova organização é uma nova etapa na polêmica das redes com a Abert. A primeira foi marcada pelo desligamento por divergências com os métodos de ação da diretoria da entidade. "Não concordávamos com o fato de representar somente uma das empresas afiliadas", afirmou Antonio Teles, vice-presidente-executivo da Bandeirantes. "Não nos sentíamos representados", confirma Roberto Franco, vice-presidente corporativo da Record, a primeira a se desligar, há quatro anos.A recente discussão sobre a participação estrangeira no capital das emissoras voltou a expor os atritos. A emenda constitucional aprovada há pouco pela Câmara dos Deputados, permitindo o aporte de até 30% de capital estrangeiro, também determina a instalação do Conselho de Comunicação Social (CCS), no qual terá assento um representante das emissoras.Quando a Abert começou a se movimentar para indicar o nome do representante, as três redes reagiram. Publicaram nesta semana um comunicado, no qual afirmam que a entidade não está autorizada a representar os seus interesses, "em nenhum foro."A polêmica deve acirrar-se. Segundo João Lara Mesquita, diretor da Rádio Eldorado, as três redes apenas tornaram público o que já era conhecido nos bastidores das emissoras de rádio e televisão. "A Abert sempre jogou a favor da Globo", disse ele. "As coisas estão mudando, porque as outras emissoras cresceram, se tornaram mais fortes e querem uma entidade independente."A Abert reagiu com uma nota oficial, divulgada nesta quinta-feira, na qual afirma que congrega 2.334 emissoras de rádio e 258 de TV. A nota também assinala: "A Abert só luta por interesses convergentes, do interesse de todos os seus associados e, mesmo não associados. Como associação de classe, não está e nunca esteve autorizada a representar individualmente nenhuma empresa."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.