Gabriela Biló/ESTADÃO
Gabriela Biló/ESTADÃO

Rede perde senador eleito para o PPS enquanto debate possível fusão

Sem alcançar cláusula de desempenho, partido passa a ter 4 senadores com a saída de Alessandro Vieira

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

21 Novembro 2018 | 16h36

Enquanto debate internamente uma possível fusão com o PPS, a Rede, partido fundado pela ex-ministra Marina Silva, perdeu um dos seus cinco senadores eleitos e está na iminência de sofrer uma debandada de quadros.

Eleito com 474.479 votos em Sergipe, delegado Alessandro Vieira disse ao Estado que esteve reunido nesta quarta-feira, 21, em Brasília com a cúpula do PPS para acertar os detalhes de sua transferência para a sigla.

“Esse processo de diálogo com o PPS começou logo após a eleição, quando se constatou que a Rede não alcançou nacionalmente a cláusula de desempenho. A Rede nacionalmente se dividiu em duas alternativas: fusão com o PPS ou permanecer como partido, só que com uma estrutura precária”, disse Vieira.

Segundo o senador eleito, sem a fusão a Rede enfrentaria uma dificuldade orçamentária muito grande já que não terá mais acesso ao Fundo Partidário por não ter atingido 1,5% dos votos válidos, distribuídos em nove estados.

“O partido deve caminhar para a fusão. Nós, do grupo que compõem a Rede em Sergipe, entendemos que era oportuno antecipar esse movimento”, afirmou Alessandro Vieira.

A Rede vai definir seu futuro em uma reunião marcada para os dias 19 e 20 de janeiro. Já o PPS marcou sua convenção, na qual vai mudar de nome, estatuto e programa, para o dia 26 de janeiro.

O senador eleito faz parte do Renova e do Acredito, dois grupos de renovação política que entrarão no partido que nascerá a partir do PPS. Com a saída de Vieira, a Rede passa a ter 4 senadores, mas parte dele também pode migrar para outras legendas caso a fusão não de certo.       

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.