Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Rede, de Marina Silva, vê clima de hostilidade com ‘apreensão’

Em nota, partido afirma que a decisão do TRF-4 deve ser respeitada e, mais uma vez, pede o fim do foro privilegiado

Marcelo Osakabe, O Estado de S.Paulo

24 Janeiro 2018 | 05h00

A Rede Sustentabilidade, partido da ex-ministra e pré-candidata à Presidência da República Marina Silva, emitiu nota nesta terça-feira, 23, na qual afirma que acompanha com “muita apreensão” o clima de hostilidade criado em torno do julgamento do recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pelo Tribunal Federal Regional da 4.ª Região (TRF-4).

O petista foi condenado em julho do ano passado pelo juiz federal Sérgio Moro, que conduz a Operação Lava Jato na primeira instância, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex no Guarujá.

+++Incerteza jurídica sobre candidatura de Lula vai continuar, diz Control Risks

No comunicado, a Rede diz que o partido vai respeitar a decisão dos desembargadores federais do TRF-4 e volta a defender o fim do foro privilegiado. “Todos são iguais perante a lei”, afirma. “A direção nacional da Rede tem manifestado apoio às investigações da Operação Lava Jato por entender que são necessárias para o aprimoramento da democracia no Brasil.”

Segundo o partido da ex-ministra, os filiados à Rede estão sendo orientados a se manifestar de forma “pacífica, esperando que a sociedade brasileira também o faça”.

+++Se condenado, Lula terá mais poder de transferência de voto, diz analista político

Ainda de acordo com o comunicado, a Rede diz que vai respeitar o resultado do julgamento pelo TRF-4 porque “o sistema judiciário possui seus próprios mecanismos de revisão de decisões que devem seguir critérios técnicos, independentemente da conjuntura política”. “Todos são iguais perante a lei e essa é a base do regime democrático em qualquer lugar do mundo”, afirma a legenda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.