Rede de Marina apresenta recurso no TSE nesta quinta-feira

Sem conseguir o número necessário de assinaturas, grupo vai pedir que órgão tome decisão inédita

Isadora Peron, O Estado de S. Paulo

18 de setembro de 2013 | 19h49

A Rede Sustentabilidade entra nesta quinta-feira, 19, com um recurso derradeiro no Tribunal Superior Eleitoral. O grupo da ex-senadora Marina Silva vai pedir que o TSE valide cerca de 90 mil assinaturas que foram recusadas pelos cartórios eleitorais sem justificativa. O pedido, elaborado pelo advogado Torquato Jardim, vai ser protocolado porque o grupo ainda não conseguiu alcançar as 492 mil assinaturas de apoio exigidas por lei para a fundação de um partido.

Junto com o recurso, a Rede apresentará um novo lote de fichas de apoio certificadas. Mesmo assim, a estimativa é que sejam alcançadas cerca de 450 mil assinaturas. Para que a Rede possa ter candidatos em 2014, o partido tem de ter o registro confirmado pelo TSE até o próximo dia 5 de outubro.

O grupo marcou entrevista coletiva para esta quinta para apresentar um balanço do processo de criação do partido. A Rede alega que conseguiu o número de assinaturas necessárias e que não pode ser prejudicada pela lentidão e pela burocracia da Justiça Eleitoral.

Caso o TSE aceite o pedido, será a primeira vez que o órgão vai fazer a certificação de assinaturas de apoio, trabalho que cabe aos cartórios eleitorais.

Reunião. No fim de semana, a Executiva provisória da Rede vai se reunir para analisar a situação. Segundo o deputado Domingos Dutra (PT-MA), o cenário do que vai acontecer com o pedido de registro da sigla ficará mais claro a partir de segunda-feira, prazo final para o Ministério Público dar o seu parecer sobre o caso. O deputado já decidiu que, caso a Rede não saia, ele se filiará ao Solidariedade, partido que o deputado Paulinho da Força tenta criar.

Marina é hoje a segunda colocada nas pesquisas de intenção de voto e é uma das principais adversárias da presidente Dilma Rousseff na disputa pelo Palácio do Planalto. Ela, no entanto, diz não pensar em plano B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.