Rede de Marina apresenta recurso no TSE nesta quinta-feira

Sem conseguir o número necessário de assinaturas, grupo vai pedir que órgão tome decisão inédita

Isadora Peron, O Estado de S. Paulo

18 de setembro de 2013 | 19h49

A Rede Sustentabilidade entra nesta quinta-feira, 19, com um recurso derradeiro no Tribunal Superior Eleitoral. O grupo da ex-senadora Marina Silva vai pedir que o TSE valide cerca de 90 mil assinaturas que foram recusadas pelos cartórios eleitorais sem justificativa. O pedido, elaborado pelo advogado Torquato Jardim, vai ser protocolado porque o grupo ainda não conseguiu alcançar as 492 mil assinaturas de apoio exigidas por lei para a fundação de um partido.

Junto com o recurso, a Rede apresentará um novo lote de fichas de apoio certificadas. Mesmo assim, a estimativa é que sejam alcançadas cerca de 450 mil assinaturas. Para que a Rede possa ter candidatos em 2014, o partido tem de ter o registro confirmado pelo TSE até o próximo dia 5 de outubro.

O grupo marcou entrevista coletiva para esta quinta para apresentar um balanço do processo de criação do partido. A Rede alega que conseguiu o número de assinaturas necessárias e que não pode ser prejudicada pela lentidão e pela burocracia da Justiça Eleitoral.

Caso o TSE aceite o pedido, será a primeira vez que o órgão vai fazer a certificação de assinaturas de apoio, trabalho que cabe aos cartórios eleitorais.

Reunião. No fim de semana, a Executiva provisória da Rede vai se reunir para analisar a situação. Segundo o deputado Domingos Dutra (PT-MA), o cenário do que vai acontecer com o pedido de registro da sigla ficará mais claro a partir de segunda-feira, prazo final para o Ministério Público dar o seu parecer sobre o caso. O deputado já decidiu que, caso a Rede não saia, ele se filiará ao Solidariedade, partido que o deputado Paulinho da Força tenta criar.

Marina é hoje a segunda colocada nas pesquisas de intenção de voto e é uma das principais adversárias da presidente Dilma Rousseff na disputa pelo Palácio do Planalto. Ela, no entanto, diz não pensar em plano B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.