Rede civil contra corrupção dobra em 5 anos, diz ONG

Antes com foco exclusivo nas capitais, agora as entidades alastram-se pelo interior dos Estados

AE, Agencia Estado

05 de janeiro de 2009 | 07h49

A rede civil de combate à corrupção dobrou no País em cinco anos, apontam dados da Voto Consciente e Amigos Associados de Ribeirão Bonito (Amarribo), duas das principais organizações não-governamentais (ONG) brasileiras de fiscalização do poder público. Elas centralizam nesta segunda-feira, 5, uma teia de voluntários, que vigiam os trabalhos em pelo menos 87 cidades. Há cinco anos não passava de 40.Antes com foco exclusivo nas capitais, trabalho realizado pela Transparência Brasil, agora as entidades alastram-se pelo interior dos Estados. Voluntários orientados pelas ONGs acompanham o dia-a-dia nas câmaras municipais e nas prefeituras e denunciam casos de corrupção. Com o auxílio da polícia, imprensa e Ministério Público (MP), movem ações civis que por vezes resultam na cassação de mandatos.A maior parte dos "vigilantes" concentra-se no interior paulista, mas há formação de grupos em todo o Brasil. Tucuruí (PA) e Maués (AM) na região norte, Morro do Chapéu (BA) no nordeste, Nova Xavantina (MT) no centro-oeste e Bombinhas (SC) no sul também têm seus núcleos de combate à corrupção.Responsável pelos contatos com interessados, Geane Menezes, voluntária da Voto Consciente, conta que o número de parcerias é crescente, com picos em anos eleitorais. Na Amarribo é o mesmo. Desde 2003, as duas ONGs contabilizaram consultas de interessados de 1.551 municípios - 10% de todo o País. Gente querendo saber como ?limpar? a administração pública de suas cidades. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
corrupçãoONGsrede civil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.