Recurso não é suficiente para pagar salário no Rio, diz Levy

O secretário da Fazenda do Rio, Joaquim Levy, ainda não garantiu o pagamento integral e em dia dos funcionários públicos do Estado, que está programado para segunda, terça e quarta-feira da próxima semana. Em entrevista coletiva no Palácio Guanabara, Levy afirmou nesta sexta-feira que os recursos realmente livres que a nova administração recebeu, juntamente com a previsão de arrecadação dos primeiros dias, não são suficientes para o pagamento em dia dos vencimentos dos servidores. Ele afirmou que serão exploradas alternativas, como a cobrança de dívidas. "A folha de segunda-feira está tranqüila", afirmou. "Estamos trabalhando nas outras com tranqüilidade". O Diário Oficial desta sexta publicou decreto anulando decisão da ex-governadora Rosinha Matheus que vinculava recursos ao pagamento de determinadas despesas, supostamente para o cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal. Com a anulação, foram liberados R$ 120 milhões, que serão usados no pagamento dos servidores. Levy afirmou que, com a medida, não haverá nenhum problema para o cumprimento da LRF pelo governo anterior. A LRF obriga que despesas feitas nos dois últimos quadrimestres sejam cobertos por recursos disponíveis previamente. Levy também respondeu nota da ex-governadora que o acusa de mentir à população. No texto, Rosinha afirmou que "o que pretendem é aplicar os recursos no mercado financeiro, prejudicando a vida de milhares de funcionários". A governadora chama essa suposta atitude de jogo sujo e propõe que se faça o jogo da verdade. O secretário reafirmou que não pode fazer aplicações porque não há dinheiro. "Ninguém está mentindo para a população", afirmou. Levy também traçou um quadro de dificuldades para o orçamento estadual que, segundo ele, prevê que o Estado receberá R$ 700 milhões a mais de royalties de petróleo do que realmente entrará em caixa. E também conta com adiantamento de receitas de royalties de outros R$ 700 milhões. Até o fim do mês, deverá ser editado um decreto de contingenciamento de despesas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.