Recurso contra Doria preocupa Bandeirantes; Aécio pede ‘unidade’

Senador mineiro, que épresidente do partido, afirma estar atento aos rumos da disputa internano PSDB paulistano

Pedro Venceslau e Ana Fernandes, O Estado de S.Paulo

02 de março de 2016 | 07h34

São Paulo - A decisão de aliados do vereador Andrea Matarazzo e do deputado Ricardo Tripoli de pedir a cassação do empresário João Doria das prévias do PSDB na capital dividiu a cúpula nacional da legenda e causou apreensão entre aliados do governador Geraldo Alckmin.

A avaliação no Palácio dos Bandeirantes é de que o imbróglio pode se arrastar até a convenção municipal, que ocorrerá em julho e ratificará o escolhido no segundo turno da votação interna, marcado para o próximo dia 20. Se isso ocorrer, o vencedor entrará fragilizado pela insegurança jurídica na fase de montagem da coligação.

Caso o diretório da capital decida impugnar o empresário, o processo será submetido ao diretório estadual e, em última instância, ao nacional, que tem a prerrogativa de dar a palavra final. O departamento jurídico do PSDB paulistano determinará hoje qual será o rito do pedido de impugnação.

“Existe preocupação para que o partido possa sair das prévias unido. Para vencer as eleições precisa haver unidade”, diz o senador Aécio Neves, presidente do PSDB. Ele descarta, porém, promover uma intervenção. “A solução para isso precisa ser encontrada em São Paulo”. O debate divide a executiva. “O pedido (de impugnação) cria constrangimento e uma tensão desnecessária no partido. As prévias democratizam o PSDB. Antes as decisões eram tomadas pelos caciques”, diz o deputado Carlos Sampaio (SP), que integra a direção.

Os signatários do pedido, porém, são dois nomes da executiva: o ex-governador Alberto Goldman, vice-presidente do PSDB, e o presidente do Instituto Teotônio Vilela, José Aníbal. Eles acusam Doria de ter praticado “condutas ilegais” de propaganda eleitoral, desrespeito à lei Cidade Limpa e “abuso de poder econômico”. “Quero saber também sobre a compra de votos. Várias denúncias sobre isso foram gravadas. O caso vai passar em branco?”, questiona Matarazzo. “Eleição se ganha na votação”, responde João Doria.

A maioria dos 71 membros da direção do PSDB da capital é ligada a Matarazzo, que disputa com Doria o segundo turno, a Aníbal, e ao deputado Bruno Covas, que apoiou Ricardo Tripoli no primeiro turno. “Não acredito que a parte vencida vai se conformar com a decisão. Ela vai recorrer e é pouco provável que isso esteja resolvido até o dia 20”, afirma o vereador Mario Covas Neto, presidente do PSDB paulistano.

Terceiro colocado no primeiro turno, Tripoli ainda não decidiu quem apoiará.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.