Recorde de consumo de energia preocupa ONS

O anúncio do recorde de consumo de energia no Estado de São Paulo, divulgado hoje pelo secretário de Energia do Estado, Mauro Arce, revelou a profunda apreensão do diretor-presidente do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Mário Santos, quanto ao momento crítico vivido pelo setor energético brasileiro. "Apesar de todos os apelos, a sociedade não está respondendo e continua consumindo muita energia. A situação é muito séria", disse Santos.O Estado de São Paulo bateu novo recorde de consumo de energia elétrica em um dia, ao consumir 18.536 megawatts-hora (MWh) no horário de pico, ante 18.350 consumidos no recorde anterior, em 18 de abril do ano passado.Mais comedido, o secretário paulista afirmou ser ainda cedo para uma resposta de consumo da sociedade, pois as campanhas de redução de consumo foram instaladas na mídia há menos de um mês. "Implementação de cotas de consumo é, na prática, racionamento e é isso que a população tem de se conscientizar. Não queremos chegar até esse ponto", manifestou Arce, sugerindo que o governo federal adote uma posição até 15 de maio.AtitudeO secretário também se queixou das manifestações que vem ouvindo de alguns setores industriais que dizem vender parte de sua cota de consumo para terceiros. "Vender o direito de consumo não adianta nada e, se esse plano de racionalização não der certo, vamos começar o racionamento", criticou.Arce informou ter iniciado hoje discussões com as secretários estaduais de Meio Ambiente; Recursos Hídricos, Saneamento e Obras; Transportes; e com a Procuradoria-Geral para estudar a viabilidade de maior exploração da usina hidrelétrica de Ilha Solteira, que provocará a interrupção do uso da hidrovia Tietê-Paraná, e da ampliação da geração da usina hidrelétrica de Henry Borden, em Cubatão, por meio da reversão das águas do Rio Pinheiros, com o bombeamento para a represa Billings."O governador Geraldo Alckmin informou ao ministro José Jorge (Minas e Energia) na reunião que eles tiveram hoje que o governo paulista está tentando viabilizar essas medidas", disse.Mário Santos informou que a possibilidade de ampliar a exploração de Ilha Solteira contribuirá significativamente para a possibilidade de reduzir os efeitos do racionamento de energia. "O melhor uso desta usina equivale a implementação de uma térmica de 700 MW no sistema", justificou.A principal dificuldade para a implementação deste projeto, segundo Arce, é a negociação com as empresas que exploraram a hidrovia. "Quanto mais demorar para utilizarmos Ilha Solteira, será melhor, por causa do transporte da safra da região", justificou.RacionamentoDurante sua participação no Fórum Brasileiro de Energia Elétrica, o executivo do ONS afirmou que o racionamento de energia no País será inevitável. "Temos que acelerar as obras, ter um choque de obras e um choque de ética" afirmou.De acordo com Santos, os níveis dos reservatórios do País estão com água armazenada em torno de 33%. "Não há expectativa que esse quadro melhore nos próximos meses e, se fosse para levar em consideração o atual nível de estoque de água, o racionamento já deveria ter sido implementado", defendeu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.