Recesso dá novo fôlego a Jader Barbalho

A duas semanas do início do recesso do Congresso Nacional, as investigações das denúncias envolvendo o presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA) devem andar a passo lento. A expectativa é que as apurações do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar não evoluam esta semana, com a saídado senador Ramez Tebet (PMDB-MS), hoje presidente do Conselho, para comandar o Ministério da Integração Nacional. A morosidade das apurações deverá dar uma sobrevida a Jader. Tebet, que toma posse na quarta-feira, já avisou que dificilmente se pronunciará, antes de deixar o Conselho, sobre oedido da oposição para rastrear o cheque que comprovaria o envolvimento de Jader com a operação de compra e venda de Títulos da Dívida Agrária (TDAs) emitidos de forma fraudulenta."Ainda não vi esse requerimento e o tempo é muito curto para analisar qualquer coisa", argumentou hoje o futuro ministro. Na opinião de Tebet, o Conselho de Ética não tem poderes para pedir a quebra de sigilo bancário. Segundo o senador, oplenário do Senado deve analiasar a solicitação. Ele lembra que o suposto envolvimento de Jader com a compra e venda irregular de TDAs é da época em que o presidente do Senado era ministro enão tinha, portanto, mandato do Congresso. "E como um Conselho de Ética e Decoro Parlamentar vai analisar uma denúncia de quando ele sequer era do Senado?", indagou Tebet.Oposição - Nem mesmo a oposição confia no andamento célere das investigações de Jader. A senadora Heloísa Helena (PT-SE), um dos 15 integrantes do Conselho, reconheceu hoje quedificilmente o pedido para rastrear o cheque que comprovaria o envolvimento de Jader com irregularidades nos TDAs será analisado pelo Conselho de Ética ou pelo plenário do Senadoantes do recesso parlamentar. "Mas a oposição vai fazer todo o esforço para que o pedido seja votado", observou. "Tenho que acreditar que o Congresso vai cumprir suas obrigações", completou a petista.egundo ela, a oposição vai empenhar-se também em obter as assinaturas para a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) enxuta, destinada a investigar o presidente doSenado, sistema financeiro e as denúncias de tráfico de influência contra o ex-ministro Eduardo Jorge Caldas Pereira. "Vamos trabalhar pela CPI", afirmou Heloísa Helena.Desgaste - O PMDB está vendo com bons olhos o fôlego que Jader Barbalho ganhará com a morosidade das investigações do Congresso. Na avaliação dos peemedebistas, a pressão sobre opresidente do Senado deverá ser menor nesta semana, pois não apareceram novas denúncias."A tendência é de que o quadro fique mais calmo esta semana", observou um integrante da cúpula do partido.Mas os peemedebistas estão certos de que, hoje Jader não tem mais como se desvincular da imagem de um presidente desgastado,estigmatizado e fraco. "O problema do Jader é o acúmulo de coisas que ele tem para explicar", apontou um peemedebistainterlocutor do presidente Fernando Henrique Cardoso. O partido está disposto a permanecer ao lado de Jader, desde que não surjam provas contundentes de seu envolvimento com corrupção. "Ninguém rema contra a correnteza, mas precisamos ter cuidado com esse clima de denuncismo que está ocorrendo deuma maneira geral", disse o senador Ramez Tebet.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.