Receita vê indício de propina na quebra de sigilo

O corregedor geral da Receita Federal, Antonio Carlos Costa d''Ávila, informou hoje que a Receita identificou um suposto esquema de compra e venda de informações fiscais envolvendo a violação de sigilo fiscal do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge, e outras pessoas ligadas ao comando do partido. Segundo ele, o esquema envolvia pagamento de propina e encomenda externa. "Há indícios de que há um esquema. Foi identificado um esquema de compra e venda", afirmou o corregedor, em entrevista coletiva no Ministério da Fazenda.

LEANDRO COLON, Agência Estado

27 de agosto de 2010 | 12h33

Na próxima segunda-feira, a corregedoria encaminhará duas representações para o Ministério Público (MP) contra os servidores envolvidos no suposto esquema de quebra do sigilo fiscal. Segundo ele, as informações levantadas até agora já dão indícios suficientes sobre o envolvimento dos servidores.

Reportagem na edição de hoje do jornal O Estado de S. Paulo revela que a análise das 450 páginas da sindicância da Receita Federal sobre a violação de sigilo de Eduardo Jorge mostra que o órgão estava, até então, poupando os servidores suspeitos de envolvimento no caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.