Receita escondeu violação do sigilo do genro de Serra

Desde a última segunda-feira, a delegacia da Receita em Santo André sabe que Antônio Carlos Atella usou uma procuração falsa para retirar as declarações de renda

Leandro Colon, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2010 | 18h38

A Receita Federal escondeu por cinco dias a procuração falsa usada para violar o sigilo fiscal do genro de José Serra, Alexandre Bourgeois. Desde a última segunda-feira, a delegacia da Receita em Santo André sabe que o contador Antônio Carlos Atella Ferreira usou uma procuração falsa para retirar as declarações de renda de Alexandre no dia 30 de setembro de 2009, mesmo dia em que adotou a prática igual para violar os dados de Verônica Serra.

 

 

Na quarta-feira, a Receita Federal divulgou uma nota à imprensa em que negava a violação do sigilo fiscal do genro do candidato do PSDB. "No caso do contribuinte Alexandre Bourgeois houve acesso apenas aos seus dados cadastrais e não quebra de seu sigilo fiscal como noticiado pela Agência Estado", afirmou. A nota tentou minimizar a revelação do portal estadao.com.br de que os dados de Alexandre haviam sido violados na agência de Mauá.

 

Naquele mesmo dia, a Receita já sabia da procuração falsa que violou os dados de Alexandre em Santo André. É o que comprova um ofício assinado nesta sexta-feira por Heloísa de Castro, delegada da Receita Federal em Santo André. No documento, ela informa à Corregedoria da Receita que entregou a procuração falsa na segunda-feira, dia 6, à Polícia Federal, atendendo a um pedido de busca nas procurações usadas por Atella, portanto, dois dias antes da nota que negou a violação do sigilo fiscal do genro de Serra.

 

 

Não é a primeira vez que a Receita esconde uma informação desse tipo. Na semana passada, o Estado revelou que o órgão do governo omitiu por mais de 20 horas que era falsa a procuração usada por Atella para violar o sigilo fiscal de Verônica Serra.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
procuraçãogenroSerraIRReceita

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.