Receita e PF dizem que não há indício na Zelotes contra servidores

A Receita Federal e a Polícia Federal divulgaram há pouco nota conjunta em que afirmam não haver indício de que servidores responsáveis pela investigação estejam envolvidos no esquema de corrupção averiguado na Operação Zelotes.

LORENNA RODRIGUES, Estadão Conteúdo

02 Abril 2015 | 19h45

"A Receita Federal e a Polícia Federal esclarecem que não há qualquer indício nos autos que apontem o envolvimento de servidores responsáveis pela investigação nas irregularidades apuradas pela Operação Zelotes", diz o texto, divulgado em resposta a matéria publicada hoje pelo jornal O Estado de S. Paulo.

A matéria mostra que um dos conselheiros investigados pela Zelotes enviou e-mail para o chefe da coordenação de Pesquisa e Investigação da Receita Federal, Gerson Schaan, na qual descrevia negociação com a fabricante de carrocerias de ônibus Marcopolo. A matéria revelou ainda que a Marcopolo pode ter pago R$ 1 milhão em propina, segundo relatório da PF.

O texto do Estado deixa claro que Schaan não é um dos investigados pela operação e que a citação ao chefe da inteligência da Receita nõ é esclarecida no relatório da PF.

Na nota, a Receita informa ainda que, por meio da coordenação chefiada por Schaan, conduz investigação própria sobre os fatos que resultaram na operação Zelotes desde o final de 2013. "Ao tomar conhecimento de que o Departamento de Polícia Federal - DPF também conduzia investigação sobre o mesmo tema, a RFB passou a atuar de forma conjunta, em regime de força-tarefa, com participação também da Corregedoria do Ministério da Fazenda e do Ministério Público Federal para apuração dos fatos", afirma.

O texto destaca ainda que a participação da Receita Federal, da corregedoria da Fazenda e do Departamento de Polícia Federal foram decisivas para o sucesso da investigação, "produzindo diversas informações e documentos que foram integrados ao correspondente procedimento criminal".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.