Rebelo evita falar sobre responsabilidade da Abin no caso Waldomiro

O ministro-chefe da Secretaria de Coordenação Política e Assuntos Institucionais, Aldo Rebelo, esquivou-se de responder a uma pergunta sobre a responsabilidade da Agência Nacional de Informações (Abin) no caso Waldomiro Diniz, por não ter evitado a contratação de uma pessoa envolvida com bicheiro para assessorar a Presidência da República. "Sobre a acusação, nós ficamos sabendo através do que foi publicado pela imprensa, no dia de hoje", disse Rebelo. "O presidente e o governo adotaram as medidas cabíveis e vamos levar às últimas conseqüências a apuração", acrescentou. O ministro evitou também responder se a Abin não tem entre suas responsabilidades a de avaliar o perfil de quem deve assessorar a Presidência. Rebelo confirmou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva determinou a exoneração de Waldomiro Diniz, acusado de envolvimnento com o bicheiro carioca Carlos Augusto Ramos, o Carlos Cachoeira. Segundo Rebelo, o presidente determinou ao Ministério da Justiça que mande abrir inquérito policial federal para averiguar e esclarecer o episódio. "No governo nós temos o compromisso inarredável com a moralidade, os princípios da defesa do interesse público e a transparência de todos os atos e gestos, e a determinação do presidente é coerente com isso", afirmou. Rebelo e o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos concederam entrevita coletiva para esclarecer as medidas adotadas pelo governo sobre o caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.