Rebelo defende MP que dá status de ministro a Meirelles

O ministro da Coordenação Política, Aldo Rebelo, voltou a defender a medida provisória que concedeu status de ministro e deu foro privilegiado ao presidente do Banco Central. "O governo quer oferecer ao presidente do BC e à instituição do Banco Central a proteção necessária para que o País mantenha a respeitabilidade do Banco Central e do seu presidente", disse. Questionado se isso significava a necessidade de dar status de ministro, Rebelo respondeu que a posição do governo é a que consta da medida provisória. O presidente da Câmara, João Paulo Cunha, defende uma alteração da MP, retirando do texto o status de ministro mas garantindo o foro privilegiado. Militares O ministro Aldo Rebelo disse também não crer que haja risco de os militares deixarem de receber os 10% de reajuste oferecido pelo governo à categoria por causa do atraso da votação do projeto no Congresso. "Confio que o Congresso, compreendendo a disposição do governo em conceder o reajuste salarial aos militares e entendendo a importância da matéria, irá votá-la em tempo hábil para incluir o aumento na folha de pagamento de setembro", disse. "Acho que é de interesse do governo e da liderança da base do governo e da oposição oferecer o reajuste à categoria". Questionado do prazo exíguo para inclusão na folha de pagamento de setembro, o ministro disse que confia que o Congresso tenha condições de realizar a votação, já que a expectativa não é só do governo mas de toda a sociedade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.