Rebelo defende conclusão da CPI do Banestado

O ministro da Coordenação Política e Assuntos Institucionais, Aldo Rebelo, disse hoje ser favorável ao encaminhamento do relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Banestado ao Ministério Público. Para o ministro, "se a CPI não investigou suficiente depois de mais de um ano (de duração), dificilmente investigará de agora em diante". O relatório, afirmou Rebelo, "deve apresentar as conclusões, as irregularidades apuradas e encaminhar ao ministério público". A declaração de Rebelo foi feita na manhã desta segunda-feira em entrevista ao vivo nos estúdios da Rádio Eldorado, do Grupo Estado. Rebelo afirmou ainda que o vazamento de informações durante a realização de uma CPI "termina quebrando a confiança não apenas na CPI, mas também na própria instituição do Congresso, que deve ser preservada". Para o ministro, que já presidiu a CPI da CBF/Nike quando deputado federal, é preciso haver esforço do presidente, relator e demais integrantes da CPI, como assessores e funcionários, para que não haja vazamento de informações. "E no caso de vazamento, a própria CPI pode promover investigação para apurar os responsáveis pelo vazamento."Rebelo lembrou que o presidente da CPI do Banestado, senador Antero Paes de Barros, chegou a dizer que a CPI não tinha sido responsável pelo vazamento de informações. "Só a própria CPI pode oferecer à sociedade uma versão correta e adequada do que pode ter saído ou não da CPI. Se a CPI comprovar que nada saiu de lá, está resolvido o problema. E se saiu ela tem os instrumentos para investigar e chegar aos responsáveis", comentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.