Rebeldes do PT querem plebiscito sobre reformas

Deputados das alas radicais do PT vão promover uma espécie de plebiscito sobre a reforma tributária e a da Previdência. Batizada de ?consulta popular?, a enquete será feita em locais públicos, como praças, metrôs e também via internet.Os petistas rebeldes querem saber a opinião da sociedade a respeito da contribuição dos inativos, redução de pensões, idade mínima de aposentadoria e fundos privados de pensão complementar. ?As propostas têm pontos polêmicos e isso é inegável?, afirmou o deputado Chico Alencar (PT-RJ). ?Nós vamos cuidar dessas reformas com carinho de um pai, mas talvez elas precisem ficar mais um tempo na incubadora?, completou, numa referência à afirmação feita na véspera pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em almoço com os deputados do PT, nesta terça-feira, Lula disse que cuida do País como trata seu filho caçula.Alencar e outros parlamentares reclamam que a bancada do PT não foi chamada para participar da discussão sobre as reformas. Os radicais e até mesmo alguns moderados são contrários à cobrança previdenciária dos servidores inativos ? item que vem provocando mais polêmica, até agora, no pacote enviado por Lula.Um dos organizadores da ?consulta popular?, Alencar destacou que, ao promover a enquete, o grupo de parlamentares está apenas seguindo a tradição petista de estimular o debate.No caso da reforma tributária, os petistas querem saber o que a maioria pensa sobre Imposto de Renda progressivo, imposto sobre herança e grandes fortunas, taxação sobre o capital financeiro e cobrança do ICMS na origem e no destino.A enquete será feita informalmente, mas os deputados garantem que têm um ?método científico? de aferir as opiniões. Além de Alencar, participam da organização da consulta os deputados Paulo Rubem (PT-PE) e Ivan Valente (SP). A proposta do plebiscito conta com apoio, até agora, de cerca de 20 deputados de outros Estados, como Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Ceará e Maranhão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.