Reajuste dos servidores custará R$ 1,1 bilhão, diz Mantega

O reajuste salarial dos servidores públicos federais custará R$ 1,123 bilhão, disse hoje o ministro do Planejamento, Guido Mantega. Segundo o ministro, o valor já estava previsto no orçamento deste ano. O governo optou por fazer um reajuste diferenciado para as diversas categorias dos servidores para tentar corrigir as distorções existentes. Segundo o ministro, o valor previsto no orçamento para o reajuste permitiria uma correção linear dos salários de 2,5%. "Mas essa proposta não era satisfatória", afirmou. Mantega explicou que todos os servidores federais, inclusive do Legislativo e do Judiciário, terão reajuste de 1% em seus salários retroativo a 1º de janeiro. A partir de 1º de maio, as categorias receberão reajustes diferenciados, variando de 4% a 13,23%, onde os servidores com menores ganhos receberão os maiores reajustes. "Os salários menores serão corrigidos em 13,23% e os maiores terão reajustes reduzidos gradativamente", afirmou. Segundo Mantega, os ministros terão reajuste de 1,8% dos salários. Mantega insistiu que a política adotada pelo governo não é de abono salarial. Se fosse adotado o abono, os servidores inativos não seriam beneficiados com a medida. "É um reajuste salarial para todos", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.