´Reação deve ter limites´, diz Pimenta da Veiga

O ministro das Comunicações, Pimenta da Veiga, previu que uma possível reação dos Estados Unidos contra alvos terroristas poderá resultar em drásticas consequências para o mundo nas áreas econômica, política e social. Na avaliação de Pimenta, o governo americano tem de "medir a reação". "Não se trata de guerra comercial. Não se sabe o verdadeiro adversário e nem onde ele está. Por isso é que a reação deve ter limites", disse ele. Pimenta previu que para o Brasil a consequência econômica será enorme, principalmente na área energética. "Se houver mudança no preço do petróleo, é importante saber as alternativas que teremos", raciocinou. Para ele, o presidente Fernando Henrique Cardoso, assim como os presidentes de outros países, devem tomar decisões rápidas, baseadas até mesmo na intuição, para enfrentar as consequências econômicas dos ataques terroristas, e não esperar a elaboração de estudos que podem ser demorados. Na sua avaliação, a gravidade de uma reação é o fato de enfrentar inimigos que estão dispostos a morrer. "O pior inimigo é aquele que quer que está disposto a ultrapassar o limite da vida", afirmou. Pimenta deu tais declarações em seu gabinete após a posse do diretor de tecnologia dos Correios, Paulo Menicucci.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.