Raul Jungmann diz que renunciará ao aumento salarial

O deputado Raul Jungmann (PE), vice-líder do PPS na Câmara, divulgou nota anunciando que renunciará ao aumento salarial definido nesta quinta-feira pelas Mesas da Câmara e do Senado com o apoio de lideres partidários. O deputado afirma que vai renunciar à parcela que ultrapassar a reposição salarial correspondente à inflação do período. O último aumento do salário dos parlamentares foi há quatro anos, e o reajuste pela inflação acumulada seria de 28,4%, o que significaria um aumento dos atuais R$ 12.874,20 para R$ 16.500. A decisão tomada nesta quinta pelas Mesas Diretoras da Câmara e do Senado prevê aumento para R$ 24.500. Segundo a nota de Jungmann, o aumento "afronta a Constituição e o sentimento de justiça do povo brasileiro, à medida que elevaram ao máximo os salários sem reduzir privilégios". Na nota, o deputado diz também que não foi dada transparência à chamada verba indenizatória de R$ 15.000,00 a que todo deputado e todo senador têm direito para pagar despesas em seus Estados."Com isso, o Congresso Nacional, mais uma vez, abusa da autonomia constitucional e envereda no descaminho do pior corporativismo", afirma o deputado. "Com esse gesto, as Mesas Diretoras jogaram fora todo o capital acumulado com a aprovação de medidas importantes nesta Legislatura. Demonstraram que nada aprenderam com a crise que nos últimos anos se abateu sobre esta Casa com as denúncias de corrupção", diz o deputado na nota. Ele afirmou ainda que vai conclamar a sociedade a argüir a inconstitucionalidade da medida na Justiça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.