Raúl Castro oferece jantar na Granja do Torto

O presidente de Cuba, Raúl Castro, ofereceu ontem (quinta-feira, 17) um jantar de confraternização na Granja do Torto, residência de campo do governo brasileiro em Brasília. Participaram do encontro festivo o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e diplomatas dos dois países. Entre 20 horas e 23 horas, 28 veículos, incluindo três vans, blindados de autoridades e carros exclusivos de segurança, entraram pela portaria principal.

LEONENCIO NOSSA, Agência Estado

18 de julho de 2014 | 14h32

Em nota divulgada nesta sexta-feira, 18, a Secretaria de Imprensa do Planalto informou que "despesas relativas à estadia" foram bancadas pelo governo cubano. "A Presidência da República apenas cedeu a hospedagem ao presidente de Cuba, Raúl Castro. Todas as despesas relativas à estadia ficaram a cargo do governo cubano", destacou o comunicado. Procurada para comentar sobre a recepção na Granja do Torto, a embaixada de Cuba em Brasília não retornou o contato.

Fontes do governo brasileiro disseram que Raúl Castro trouxe de Havana e da embaixada de Cuba o pessoal que trabalhou no jantar, especialmente o cozinheiro - medida considerada de segurança. A equipe de apoio do presidente cubano causou mal-estar entre os próprios servidores da Granja do Torto. Seguranças de Raúl Castro queriam fechar a área reservada à imprensa no gramado em frente à portaria da residência, onde o Planalto construiu um abrigo para jornalistas. A segurança de Cuba se irritou com um funcionário da Presidência que estacionou o carro, como de costume, no estacionamento da parte externa. A área externa continuou de livre acesso ao público, especialmente na noite de ontem e na madrugada desta sexta-feira, período do jantar.

Raúl Castro veio ao Brasil para o encontro dos Brics e da Unasul. Na tarde desta quinta-feira, o Planalto já havia divulgado, também em nota, que o dirigente cubano pediu estadia na Granja do Torto. Os demais chefes de Estado que estiveram na capital federal ficaram em embaixadas e hotéis da cidade.

Foi a primeira vez que a residência serviu de local para uma confraternização promovida por um chefe de Estado estrangeiro. Nos governos de João Figueiredo (1979-1985) e Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010), a residência era utilizada por eles com frequência para encontros de confraternização e de recepção a políticos brasileiros ou mesmo líderes do exterior. Tanto Figueiredo quanto Lula chegaram a morar na casa, que tem estilo de fazenda. O último presidente da ditadura criava cavalos no haras da propriedade. Já Lula recebia ministros e assessores para reuniões de trabalho, festas juninas e partidas de futebol.

Tudo o que sabemos sobre:
Raul CastroGranja do Torto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.