EFE / Ricardo Stuckert / Lula.com
EFE / Ricardo Stuckert / Lula.com

Raúl Castro e presidente Miguel Díaz-Canel se encontram com Lula em Havana

Lula viajou a Cuba em meados de dezembro para participar das filmagens de um documentário internacional, segundo seus advogados

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de janeiro de 2021 | 02h57

HAVANA - O líder do Partido Comunista de Cuba, Raúl Castro, e o presidente da ilha, Miguel Díaz-Canel, se encontraram nesta terça-feira, 19, em Havana, com o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, informou a mídia estatal. Ele estava visitando o país caribenho desde dezembro.

As mais altas autoridades cubanas, Castro e Díaz-Canel, conversaram com Lula, presidente honorário do Partido dos Trabalhadores (PT) , em "clima de fraternidade" sobre "as históricas relações de fraternidade entre povos e partidos", disse uma nota oficial, acompanhada de uma foto da reunião.

Lula, que foi condenado no Brasil por corrupção e lavagem de dinheiro, viajou a Cuba em meados de dezembro para participar das filmagens de um documentário internacional, segundo seus advogados de defesa em São Paulo.

Desde sua chegada a Havana, o líder do PT só apareceu publicamente na terça-feira, quando diversos meios de comunicação do país caribenho noticiaram seu encontro com lideranças cubanas pouco antes de seu retorno ao Brasil.

O ex-presidente do País entre 2003 e 2010 agradeceu "as expressões de solidariedade do povo cubano na reivindicação de sua plena liberdade". Além disso, condenou o endurecimento do embargo econômico pelo governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, bem como a incorporação de Cuba em sua lista de países patrocinadores do terrorismo.

O ex-presidente do Brasil também confirmou seu apreço "pelo trabalho humanitário realizado pelos médicos cubanos no Brasil" e elogiou a ajuda que os profissionais da ilha hoje oferecem a outras nações do mundo.

Também participaram do encontro com Lula o primeiro-ministro e chanceler cubanos, Manuel Marrero e Bruno Rodríguez, e o jornalista, político e escritor brasileiro Fernando Gomes de Morais.

Desde sua libertação, em novembro de 2019, esta é a terceira viagem internacional do ex-presidente, que passou um ano e sete meses atrás das grades e está em liberdade provisória, embora seja politicamente desqualificado por ter sido condenado por corrupção.

Lula, 75, foi condenado a 8 anos e 10 meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, após ser condenado por receber um apartamento no balneário paulista do Guarujá em troca de favores políticos à construtora OAS./EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.