Rateio político dá ao PT cargo na Anatel

Economista ligado a Paulo Bernardo é indicado para conselho de agência

Gerusa Marques, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

18 de fevereiro de 2009 | 00h00

O governo Lula continua a usar os cargos das agências reguladoras como moeda política. O Diário Oficial da União publicou ontem a mensagem presidencial com a indicação do economista João Rezende para uma vaga no Conselho Diretor da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Foi o despacho de um acordo político que daria ao PT a indicação do posto na Anatel, caso o PMDB ficasse com o comando das duas Casas do Congresso.Rezende, que ocupa a chefia de gabinete do Ministério do Planejamento desde abril de 2006, foi uma indicação do ministro Paulo Bernardo, deputado e militante do PT paranaense. O posto está vago desde novembro do ano passado, com o fim do mandato de Jaime Ziller, que já era indicação do PT.A nomeação deveria ter sido definida no final do ano passado, mas foi adiada por causa da disputa entre PT e PMDB para a presidência da Câmara e do Senado. Caso o PT tivesse assumido uma das Casas, a indicação para a vaga na Anatel pertenceria a um membro do PMDB, partido do ministro da Comunicações, Hélio Costa.Além do apoio do governo, Rezende teve um ponto técnico a seu favor. Ele foi presidente da Sercomtel, concessionária de telefonia fixa que atua na região de Londrina (Paraná). Para que o economista assuma a vaga de conselheiro, porém, ele passará por uma sabatina na Comissão de Infraestrutura do Senado e seu nome terá de ser aprovado pelo plenário.Rezende é formado em economia pela Universidade Estadual de Londrina, com mestrado pela PUC-SP. Foi economista do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), diretor financeiro da Companhia de Habitação (Cohab) e secretário de Fazenda de Londrina, além de diretor da Fundação Paulista de Tecnologia em Educação.ARGELLONa semana passada, o Estado mostrou que o líder do PTB, senador Gim Argello (DF), vai indicar seu assessor e tesoureiro regional do partido, Ivo Borges, para uma vaga na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).Se conseguir emplacar o nome, Argello provará que está em ascensão não só no Senado, cada vez mais próximo do presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), e do líder do PMDB, Renan Calheiros (AL), mas também no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.A indicação de Borges por Argello é claramente um prêmio pelo fato de o senador do Distrito Federal ter ajudado na vitória do ex-presidente da República para o comando do Senado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.