Rastreamento familiar teria ajudado a localizar Pizzolato na Itália

Ex-diretor do Banco do Brasil, que estava foragido desde novembro, tinha um parente que trabalhava em Maranello, onde foi preso

Wilson Tosta - O Estado de S. Paulo

05 de fevereiro de 2014 | 14h39

RIO - O ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato foi localizado pela Polícia Federal na Itália, provavelmente, a partir do rastreamento de suas conexões familiares. Condenado por envolvimento no mensalão e foragido desde novembro, Pizzolato foi preso nesta quarta feira, 5, na cidade de Maranello, norte do país.

Pizzolato, segundo apurou o Estado, tem um parente que trabalha na Ferrari, sediada em Maranello. A PF também localizou uma conta em um banco suíço, que seria movimentada por Pizzolato.

Por ter dupla cidadania, Pizzolato não podia ser extradidato. Ele mesmo comunicou a fuga, em carta divulgada pelo advogado Marthius Sávio Lobato, no dia seguinte à ordem de prisão decretada pelo Supremo Tribunal Federal, em 15 de novembro.

Pizzolato foi condenado pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e peculato e cumprirá a pena em regime fechado. O nome do ex-diretor do Banco do Brasil foi incluído na lista de procurados da Interpol. Desde então, o governo brasileiro avaliava como extraditar Pizzolato.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.