Raquel exonera procurador que falava sobre 'tendência' em investigar equipe de Janot

Sidney Madruga pediu para deixar equipe após uma conversa sua em restaurante ser reproduzida por jornal

O Estado de S.Paulo

22 Setembro 2017 | 15h50

BRASÍLIA - A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, exonerou o procurador regional da República Sidney Pessoa Madruga do cargo de coordenador do Grupo Executivo Nacional da Função Eleitoral (Genafe). A exoneração, segundo a assessoria da procuradora-geral, foi feita a pedido de Madruga.

O procurador foi flagrado pela reportagem do jornal Folha de S. Paulo em conversa em restaurante no qual fala que a “tendência” no órgão é investigar o procurador Eduardo Pelella, que foi chefe de gabinete do ex-procurador-geral Rodrigo Janot.

De acordo com a assessoria da PGR, o pedido de exoneração da equipe foi apresentado “com a finalidade de evitar ilações impróprias e indevidas”.

“A PGR reitera informação repassada ao jornal de que o procurador mencionado não atua em matéria criminal e não teve acesso a nenhuma investigação ou ação penal conduzidas pela atual equipe do Grupo de Trabalho da Lava Jato, em Brasília. A portaria de exoneração foi assinada na tarde de hoje”, informou a assessoria da Procuradoria-Geral da República.

Na conversa flagrada pela publicação, Madruga falava sobre a atuação de Pelella, braço direito de Janot, na negociação da delação do grupo J&F.

O procurador regional da República Eduardo Pelella encaminhou ofício endereçado a Raquel Dodge no dia de hoje no qual se coloca “a exemplo do ocorreu durante todo o período de transição, à disposição para qualquer esclarecimento que entenda necessário”. 

Mais conteúdo sobre:
Raquel Dodge Rodrigo Janot

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.