Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Raquel e Fernando

PGR e PF com Galloro afinados no combate ao crime e à corrupção

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

02 Março 2018 | 03h00

Ao mesmo tempo, num movimento que parecia combinado, o presidente Michel Temer nomeou o delegado Fernando Segovia para a diretoria-geral da Polícia Federal e escolheu a procuradora Raquel Dodge para a Procuradoria-Geral da República. E ficou todo mundo de olho nos dois.

Segovia e Dodge, por motivos bem diferentes, sofriam fortes resistências de seus antecessores – Leandro Daiello, na PF, e Rodrigo Janot, na PGR – e suportaram críticas, cochichos e fofocas no sentido de que tinham como compromisso abafar a Lava Jato, preservando principalmente Temer e sua turma. 

Segovia, o Breve, que nem era o preferido de Daiello, da corporação e do próprio chefe, o ministro da Justiça, Torquato Jardim, deu com os burros n’água. Dodge, ao contrário, vem demonstrando firmeza, independência e profissionalismo. Se recebe críticas, é pelo corporativismo.

Em menos de seis meses, e tendo de lidar com erros do antecessor, Dodge vem fazendo tudo o que tem de fazer, sem pressa, sem histeria, sem perseguir nem passar a mão na cabeça de ninguém – nem de Temer. Ao mesmo tempo que anulou as delações premiadas de Joesley e Wesley Batista, os grandes troféus de Janot e fontes das maiores amarguras de Temer, Dodge também não dá sossego ao presidente.

Foi a PGR quem pediu ao Supremo o veto a parte do indulto de Natal concedido por Temer e acusado de ser o mais benevolente com criminosos em décadas. Também foi ela quem garantiu o depoimento de Temer no caso Rodrimar, do Porto de Santos, e acaba de incluí-lo na investigação de denúncias de acertos de propina da Odebrecht para o PMDB no palácio do Jaburu.

Com um detalhe: ao fazê-lo, Dodge mudou o entendimento de que presidentes não podem ser investigados por atos cometidos antes do mandato. Alegou que eles não podem ser processados, mas têm de ser investigados para que não se percam provas e dados decisivos. E, para quem imaginava, ou temia, que ela seria um braço de Gilmar Mendes na Procuradoria (que ele, aliás, já ocupou), as sinalizações são em sentido contrário.

Dodge, por exemplo, recorreu da insistente mania do amigo de tirar da cadeia o empresário Jacob Barata, envolvido até a alma na era trágica de Sérgio Cabral. Assim como ela também foi ao STF para anular a decisão da Assembleia Legislativa do Estado de mandar soltar seu presidente, Jorge Picciani, e seus comparsas.

De outro lado, ela é publicamente contra a revisão da prisão após condenação em segunda instância, foco e esperança do ex-presidente Lula. Aliás, ela também é contra o foro privilegiado tal como está, mas recorreu contra a decisão do ministro Luís Roberto Barroso de enviar para a primeira instância casos de deputados como Beto Mansur. Afinal, o foro ainda está de pé. A ressalva a Dodge é defender auxílio-moradia a esta altura.

E Fernando Segovia? Ele não era diretor ou superintendente da PF, era só mais um na Corregedoria. Nomeado por políticos, ficou cercado de adversários na corporação. Não caiu por causa deles, porém, mas por ele mesmo. Chegou menosprezando a mala de R$ 500 mil do assessor Rocha Loures e saiu prevendo que as investigações contra Temer não dariam em nada. No meio tempo, Segovia passava por cima do ministro e falava diretamente com o presidente, frequentava festas políticas e criou um prato feito para vazamentos: a divulgação do número dos processos em remanejamentos de pessoal.

Na reta final do governo, e sem contar o fim da recessão e as boas perspectivas econômicas, o destaque é Raul Jungmann no Ministério da Segurança Pública e a dupla Dodge, na PGR, e Rogério Galloro, na PF. O combate ao crime organizado é para valer e o combate à corrupção não vai parar. Quem tem rabo preso que se cuide.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.