Rands: 'não dá para ficar refém da minoria', disse Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi duro na cobrança pela votação do orçamento da União, amanhã, no Congresso Nacional, durante a reunião do Conselho Político, encerrada no Palácio do Planalto. Lula cobrou os votos da maioria e reclamou que a "oposição está falando mais que o governo". "Chegou a hora de virar o jogo, não dá para ficar refém da minoria. Quem está no governo tem de ser governo", afirmou o presidente Lula, segundo relato do líder do PT na Câmara, Maurício Rands (PE). Lula reclamou do fato de que parlamentares da base nem sempre estão presentes nas votações importantes, numa referência ao Senado. "Lula deu um cartão amarelo para a base do governo", disse o vice-líder do governo na Câmara deputado Beto Albuquerque (PSB-RS), que também participou da reunião. Lula reafirmou que será necessária a edição de medidas provisórias para garantir recursos para obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), se o Orçamento não for votado o mais rápido possível. "Se o Brasil ficar sem orçamento se torna necessária a emissão de MPs. Não há razão objetiva para em março o País estar sem orçamento", disse o presidente, segundo relato de Rands.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.