Rainha sai da cadeia falando em esperança no campo

O líder sem-terra no Pontal do Paranapanema José Rainha Jr. deixa a cadeia falando em esperança, com a perspectiva de queo trabalhador do campo terá amparo do próximo governo federal. Após 70 dias preso preventivamente, sob a acusação de formação de quadrilha, furto, danos qualificados e constrangimento ilegal, Rainha foi solto hoje por força de habeas-corpus concedido pelo Superior Tribunal de Justiça.??Pela primeira vez na história do Brasil foi eleito um presidenteoperário. Há muita esperança. Eu tenho esperança na nossa luta. Confio no campo e onde tiver luta, estarei lá??, disse Rainha numa rápida conversa com a imprensa, assim que foi libertado, por volta das 18h. O Habeas-corpus foi concedido ontem. O juiz de Teodoro Sampaio, Atis de Araújo Oliveira, assinou o alvará de soltura somente à tarde. Rainha e seu advogado Hamilton Henriques Belotto reclamaram da morosidade do juiz, o mesmo que determinou a prisão preventiva de Rainha. O líder sem-terra ironizou dizendo que o juiz de Teodoro Sampaio é muito ocupado, mais que os ministros dos tribunais. ??É um juiz com mentalidade feudal??, criticou. Atis Araújo não quis falar com a imprensa. Assinou o alvará de soltura por volta das 16h30, encaminhou por fax ao juiz da 3ªVara de Presidente Venceslau, Leonino Carlos da Costa Filho, que determinou ao oficial de justiça ir à delegacia, pouco antes das 18h, entregar o documento para libertar Rainha que estava preso desde o dia 5 de setembro.Rainha revela que durante este período aproveitou para aprofundar-se sobre os direitos dos trabalhadores, lendo livros. Não disse quais. Sua esposa Diolinda Alves de Souza contou que Rainha teve tratamento de preso comum. Recebeu visitas nos dias específicos (quinta e domingo), ??com apenas dez minutos de duração, de tal forma que os coordenadores de acampamentos e mesmo os familiares precisaram se revezar??, para ver Rainha.Ao sair da prisão, Rainha foi recebido pela mulher, seus dois filhos ? João Paulo e Sofia ? e membros do MST. Juntos, dirigiram-se para o acampamento Primavera, em Presidente Venceslau. Rainha era aguardado com uma festa. Este ano, foi a segunda vez que Rainha ficou preso. A primeira durou 23 dias, a partir de 25 de abril quando foi detido em Euclides da Cunha Paulista por porte ilegal de arma: uma escopeta calibre 12.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.