Rainha diz que meta do MST para o Pontal é um novo Canudos

O líder do Movimento dos Sem-Terra (MST) no Pontal do Paranapanema, José Rainha Júnior, disse nesta sexta-feira, em Presidente Epitácio, a 670 quilômetros de São Paulo, que o objetivo do movimento é formar "um novo Canudos" na região. "Estamos retomando, 100 anos depois, o sonho de Antonio Conselheiro de dar a terra aos excluídos."No arraial de Canudos, em Belos Montes, sertão da Bahia, Conselheiro chegou a reunir 5 mil militantes no início do século 20. O místico e seus seguidores foram massacrados pelas tropas do governo da época. "Na nossa luta, seremos vencedores", afirmou Rainha.Ele lançou nesta sexta as bases do que será, segundo prometeu, o maior acampamento de sem-terra no Brasil, com 5 mil acampados. Os barracos vão ocupar as duas margens de uma vicinal asfaltada, a SPV-35, que liga Epitácio a Teododo Sampaio. Serão utilizados cerca de 5 quilômetros dos acostamentos.A festa prevista para o evento teve de ser adiada para domingo por causa das fortes chuvas que caíram na região. A carne dos 5 bois abatidos para o churrasco foi guardada em freezers. Apesar do adiamento, dezenas de famílias estão chegando para acampar na área.Até a tarde desta sexta-feira, 22 novos barracos tinham se juntado aos das cerca de 250 famílias vinculadas ao MST Central do Brasil, que aderiu ao MST de Rainha.Rainha disse que a organização de grandes acampamentos resulta do novo cenário criado pelo governo de Luiz Inácio Lula da Silva que, segundo ele, tem um compromisso com a reforma agrária. "Ele nomeou para o Ministério do Desenvolvimento Agrário um ministro (Miguel Rossetto) que é nosso companheiro." Rossetto será convidado a visitar o acampamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.