Rainha atrai acampamento do Mast para o MST

Depois de ter sido desautorizado como liderança do movimento, o líder José Rainha Júnior, de 48 anos, deu neste domingo um presente para o Movimento dos Sem-Terra (MST). Ele atraiu para sua sigla o maior acampamento do Movimento dos Agricultores Sem-Terra (Mast) no Pontal do Paranapanema, com 428 famílias. O Mast é o segundo movimento em número de famílias acampadas no Pontal - cerca de 800 - perdendo apenas para o MST, que agora passa a ter 1,8 mil. O grupo nasceu de uma dissidência do movimento principal.A troca de bandeira e de nome no acampamento ocorreu à tarde, em Euclides da Cunha Paulista, com a presença do prefeito e vereadores locais. O Acampamento Mário Covas, que fica a 2 quilômetros da cidade, passou a chamar-se Acampamento Euclides da Cunha, numa homenagem ao jornalista e escritor de "Os Sertões" que cobriu a Guerra de Canudos. O pavilhão branco do Mast foi arriado e deu lugar à bandeira vermelha do MST. "A partir de agora, esses companheiros passam a lutar ao lado dos nossos militantes para realizar a reforma agrária no Pontal", disse Rainha.Ele pretende convidar as lideranças de outros acampamentos da agremiação para também se juntarem ao MST. Há poucos dias, ele teve sua liderança contestada pela direção nacional do movimento. O dirigente Delwek Matheus disse à imprensa que José Rainha Júnior não estava autorizado a falar em nome do movimento. Ele alegou que Rainha não se curvava às orientações do partido.O líder dos sem-terra no Pontal disse que a conquista do Mast não é uma resposta aos dirigentes do movimento. Seu objetivo é unir as forças no Pontal. "Estou fazendo o que fiz historicamente, que é a mobilização das bases. Se queremos ampliar a luta pela reforma agrária, temos de contar com gente e não só com dirigente." Ele disse que o primeiro compromisso assumido com os ex-integrantes do Mast é lutar pelo assentamento daquelas famílias. Rainha espera levar ao acampamento o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que deve visitar a região provavelmente no dia 25 próximo. A visita do presidente ao Pontal está sendo programada pelo Incra.O coordenador do acampamento, Francisco de Oliveira, vereador pelo PV, disse que o grupo não recebeu o respaldo esperado do Mast. "Esperamos muitos anos o assentamento dessas famílias e não saiu. Agora, com a força do José Rainha, as coisas devem acontecer."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.