Radicais do PT respondem crítica de Genoino

Divididos nos protestos contra a reforma da Previdência, os parlamentares radicais do PT demonstraram hoje união na hora de rebater a crítica do presidente nacional da sigla, José Genoino, de que estariam fazendo o "jogo da direita" ao atacar o governo Lula. "Quem está contribuindo para ressuscitar a direita que derrotamos nas urnas é a cúpula do partido", disse o deputado federal João Batista Araújo, o Babá (PT-PA), ao discursar contra a reforma, durante o 48.º Congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE), em Goiânia.A deputada federal Luciana Genro (RS) seguiu a mesma linha. "A direita está dentro do governo ou na base de sustentação, ajudando a manter a política econômica e a aprovar as reformas", disse ela. "Nós queremos é salvar o PT." Segundo a deputada, o fato de o Fundo Monetário Internacional (FMI) "aplaudir" as medidas econômicas do governo Lula mostra a que interesses, de fato, a administração petista atende. "A direita não gosta é dos radicais e por isso está exigindo nossa expulsão." Ontem, ao participar de seminário no Congresso da UNE, Genoino disse que os partidos conservadores sempre saíram vitoriosos após fracassos da esquerda, de modo que os radicais deveriam ter em mente que suas críticas abrem caminho para a "truculência da direita". "Não tenho bola de cristal, mas as experiências no mundo vão no sentido contrário. Onde a esquerda e a social-democracia assumiram bandeiras neoliberais elas se esfacelaram", rebateu a senadora Heloisa Helena, ao ser questionada por jornalistas. "As bandeiras que defendemos são condenadas justamente pela direita nacional." O deputado João Fontes (SE) não mediu palavras para atacar Genoino. "O Genoino está passando por uma crise existencial. Após toda a sua luta e todas as bandeiras que levantou em 30 anos, é vaiado e desempenha o papel de inquisidor-mor do PT", disse Fontes. "Acho que ele está encerrando sua vida pública de maneira decepcionante." Os quatro parlamentares fazem críticas contundentes contra a reforma da Previdência apresentada por Lula. Babá, Luciana e Fontes defendem a retirada da proposta, na linha do que reivindicam entidades de servidores federais e partidos como o PSTU. Heloisa Helena é categórica ao dizer que votará contra a proposta da forma como está. Mas deixa aberta a possibilidade de apoiar um texto modificado por emendas no Congresso. Mais do que criticarem a reforma da Previdência, os três deputados adotaram uma linha de oposição ao governo. "Quem mudou não fomos nós, foi a cúpula partidária e sem ouvir o partido", disse Babá. "Estamos defendendo o que antes era bandeira de todo o partido", complementou Luciana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.