Radicais criticam negociações de Lula e Bush sobre Alca

Os radicais da esquerda acusaram o presidente Luiz Inácio Lula da Silva de trair seu discurso de campanha ao assumir o compromisso de concluir até 2005 as negociações da Área de Livre Comércio das Américas (Alca), durante encontro com o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush. Reunidos no Congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE), o deputado João Batista Araújo (PT-PA), o Babá, e o presidente do PSTU, José Maria, candidato derrotado à Presidência da República na eleição passada, afirmaram que a intenção dos Estados Unidos ao negociar a Alca é criar uma nova colônia norte-americana nas Américas. "É lamentável que o Lula não tenha ouvido o plebiscito em que 10 milhões de brasileiros se posicionaram contra a criação da Alca", disse Babá. Segundo ele, ao assumir o compromisso de finalizar a Alca até 2005, o governo brasileiro está se submetendo ao imperialismo norte-americano. "O aprofundamento dessa política é se submeter às ordens do FMI e do imperialismo". Ele afirmou que o presidente, quando em campanha, era contrário à Alca e chegara a dizer que a sua criação seria "um processo de anexação". "O Lula deveria estar atento ao fato de que os eleitores que votaram nele votaram contra a Alca", atacou Babá. Por sua vez, José Maria, do PSTU, considerou a decisão "um desastre completo". "Dentro da Alca não há nenhuma possibilidade de resolver os problemas do Brasil, pois representa a recolonização do País". Segundo o ex-candidato, na política externa, o presidente Lula vinha sinalizando que suas ações estavam mais de acordo com o programa defendido na campanha. "Mas esse acerto na reunião com Bush vai na direção contrária", avaliou. O plebiscito sobre a Alca, promovido pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), ano passado, não teve o patrocínio do PT, que temia comprometer a campanha do então candidato Lula. No resultado final, divulgado em setembro do ano passado, dos 10,149 milhões de votantes, 98,33% foram contrários à instituição da Alca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.