Racionamento poderá preservar cursos noturnos

O ministro da Educação, Paulo Renato Souza, vai pedir à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) que o racionamento de energia, a partir do mês que vem, não atinja faculdades e escolas com cursos noturnos. "Espero que não haja apagão à noite, mas, se houver, que sejam preservadas as áreas onde temos faculdades", disse o Paulo Renato, admitindo estar preocupado com o risco de suspensão das aulas. Mais da metade dos universitários e alunos de ensino médio (antigo 2.º grau) em todo o País estuda à noite, segundo dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. No ano passado, havia 1,3 milhão de estudantes matriculados em cursos superiores noturnos, dos quais 476 mil em São Paulo. No ensino médio, 4,3 milhões de alunos estavam na mesma situação.Paulo Renato disse que o ministério está disposto a ajudar o governo na campanha para reduzir o consumo de energia, realizando ações educativas nas escolas. "Estamos prontos para distribuir material às escolas, mas ainda não fomos acionados pela Aneel nem pelo Ministério de Minas e Energia", afirmou ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.