Racionamento não deve atingir a Região Sul

O panorama crítico dos reservatórios do Sudeste e do Nordeste não está afetando as distribuidoras de energia na Região Sul do País, garantiu hoje o presidente da Rio Grande Energia (RGE), Sidney Simonaggio. "As distribuidoras do Sul estão tendo toda a necessidade atendida", informou o executivo, que também é conselheiro do Mercado Atacadista de Energia (MAE). A RGE opera nas regiões Norte e Nordeste do Rio Grande do Sul, onde abastece 961 mil clientes. Apesar de o Sul ter mais energia disponível que o necessário, não consegue fazer com que este excesso de geração chegue ao Sudeste por dificuldades do sistema, como a falta de um terceiro transformador da subestação de Tijuco Preto, no leste de São Paulo, informou Simonaggio.Ao contrário do Sudeste, no Sul os reservatórios estão cheios. A região chegou a registrar quantidade de chuvas 300% acima da média, ressaltou o presidente da RGE. Em fevereiro, houve um excedente de quase 1.000 megawatts médios que não pôde ser transferido para o Sudeste, observou Simonaggio.Em um possível cenário de racionamento de energia, as distribuidoras do Sul não seriam atingidas, acredita Simonaggio. "O quadro que tinha de ser montado já foi e as decisões vão sair, agora, do Ministério de Minas e Energia", afirmou o executivo, que participou hoje do seminário "Privatização: um bom negócio para o Rio Grande do Sul", promovido pela Federação das Associações Empresariais do Estado (Federasul). Simonaggio disse que o balanço da RGE de 2000 deverá ser divulgado nos próximos dias. A distribuidora já havia anunciado que irá aplicar R$ 82 milhões este ano para aumentar em 15,2% sua capacidade instalada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.