Racha expõe desconforto de petistas com aliança

O acordo que rachou o PT e pôs na berlinda o pragmatismo do presidente Lula escancarou o desconforto petista com o protagonismo do PMDB no governo. Mais que isso, a operação para salvar o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), expôs com todas as letras a crise do casamento entre os dois partidos.Em conversas reservadas, deputados, senadores e até dirigentes do PT dizem que o partido de Sarney tem uma "montanha de cargos" no governo, mas a qualquer sobressalto faz chantagem no Congresso. Agora, para obter o apoio do PT a Sarney, o PMDB ameaçou criar dificuldades na CPI da Petrobrás.Apesar da convicção de Lula de que tudo deve ser feito para atrair o PMDB para a campanha presidencial da ministra Dilma Rousseff, muitos petistas querem discutir a relação. Além disso, em São Paulo, Rio, Bahia, Minas, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, a briga entre os dois partidos está cada vez pior."O PMDB tem de compreender que não se pode pôr panos quentes sobre assuntos que ferem a ética", afirmou o senador Eduardo Suplicy (PT-SP). Em entrevista à revista Veja, em julho, o senador Tião Viana (PT-AC) classificou o PMDB de "a essência do fisiologismo". Levou um pito de Lula"Quem critica tem de propor alternativas e dizer como vamos governar", diz o presidente do PT, Ricardo Berzoini. "Fazer política na teoria é o mesmo que contratar um arquiteto e não chamar o engenheiro para o cálculo de estrutura. Tudo pode ser muito bonito, mas, se não fica de pé, não resolve."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.