Helvio Romero/Estadão
Helvio Romero/Estadão

Rabello diz que governo é inimigo do desenvolvimento nacional'

Ex-presidente do BNDES e presidenciável do PSC criticou intervencionismo e defendeu necessidade de maiores investimentos em infraestrutura

Marianna Holanda, Gilberto Amendona e Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

18 Junho 2018 | 11h38

SÃO PAULO - O pré-candidato à Presidência da República pelo PSC, Paulo Rabello de Castro, disse nesta segunda-feira, 18, que o "governo é inimigo do desenvolvimento nacional", mas ressalvou que tem solução. A crítica do ex-presidente do BNDES foi feita durante sabatina feita pela União da Indústria de Cana de Açúcar, em São Paulo.

+ Presidenciável do PSC quer extinguir Ministério da Fazenda se for eleito

"Qual o diagnóstico? O governo é inimigo do desenvolvimento nacional. E por não ter mais dúvidas, assumi o BNDES e o IBGE. Deixei de ser setor privado, empresário, consultor, pesquisador, para ser governo. E lá vi que governo tem solução sim, e é, ao mesmo tempo, o centro dos nosso problemas", disse Rabello de Castro, que abriu sua fala com uma referência ao jogo da seleção brasileira na Copa do Mundo no domingo, em que disse que "o esporte também tem imitado nosso fraco desempenho". "A gente joga pra empatar e no geral sai perdendo", completou, em referência ao empate com a seleção da Suíça.

+ João Amoêdo diz que Estado ineficiente leva à corrupção

O presidenciável também criticou o monopólio da Petrobrás e as soluções encontradas pelo governo federal para a greve dos caminhoneiros. "Intervenção em preços e tabela, como foi mencionado na greve dos caminhoneiros, é um festival de ideais implantadas que não vão dar certo", afirmou.

Ao final de sua fala, Rabello de Castro apresentou um resumo do seu programa de governo, que, segundo disse, deve ser apresentado até o fim de junho. São 20 os principais temas, dentre eles: zerar o déficit público em 2022 e dobrar o investimento em infraestrutura pública; crédito fácil pela internet para micro e pequenos empreendedores; e a legalização das propriedades em zonas rurais, com 5 milhões de novos títulos de propriedade em quatro anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.