R$ 5 mi teriam saído de estatais

Relatório da Polícia Federal aponta o esquema em Minas como o embrião do mensalão petista. Eduardo Azeredo, então governador, seria o principal beneficiário. A investigação apontou que R$ 5,17 milhões teriam saído de empresas estatais mineiras para o esquema paralelo de arrecadação de recursos liderado pela agência SMPB, do empresário Marcos Valério, também envolvido no mensalão petista. A PF apurou que os desvios foram feitos por meio de cotas de patrocínio de eventos e publicidade fictícia.O PSDB tem defendido a tese, no caso de Azeredo, de que não dá para indiciá-lo sem indiciar o presidente Lula, como beneficiário do mensalão. Lula não foi citado no relatório final da Procuradoria-Geral da República sobre o caso. Além de Azeredo, a lista cita vários outros personagens, entre eles o ministro das Relações Institucionais, Walfrido Mares Guia, como um dos responsáveis por movimentar R$ 24 milhões junto com 159 políticos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.