Quintão vai falar sobre guerrilha do Araguaia

O ministro da Defesa, GeraldoQuintão, será convidado na próxima terça-feira a comparecer à Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputadospara falar sobre a guerrilha do Araguaia.O autor do convite é o deputado Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP), advogado dosfamiliares dos 68 guerrilheiros do PC do B mortos pelo Exército entre 1972 e 1975 no sul do Pará."Quero que a verdade sobre essa guerrilha seja revelada oficialmente pelo governo, com transparência e sem dissimulação",afirmou o deputado.Greenhalgh anunciou também que na terça-feira formalizará à Justiça Militar pedido de reabertura doInquérito Policial Militar (IPM) sobre o caso.O depoimento prestado no último dia 22 na Comissão de Direitos Humanos pelocoronel-aviador Pedro Correa Cabral, na avaliação do deputado, justificaria a reabertura do caso."Foram declaraçõesbombásticas, coerentes e convincentes, assistidas até por oficiais do Exército".O coronel, num depoimento de quatro horas, acusou o ex-agente do Serviço Nacional de Informações (SNI) e atual prefeitode Curionópolis (PA), Sebastião Rodrigues de Moura, o major Curió, de comandar um grupo que matava e queimava os corposdos guerrilheiros.Cabral revelou ter transportado vários corpos das vítimas em helicóptero da Aeronáutica. "Os mortos eram queimados numafogueira de pneus, embaixo de uma árvore, na Serra das Andorinhas".O Exército divulgou nota nesta sexta-feira afirmando desconhecer a existência de grupos de extermínio no episódio narrado pelocoronel Cabral."Isso precisa ser esclarecido, e faço um apelo ao presidente da República e ao ministro da Defesa para quecolaborem nesse sentido", resumiu o deputado. Ele disse que até hoje os familiares das vítimas reclamam os corpos daquelesque foram mortos na guerrilha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.