Quintanilha tentará unificar 2 processos

Para agilizar trâmite, apuração sobre rádios e lobista pode virar uma só

Ana Paula Scinocca e Rosa Costa, O Estadao de S.Paulo

25 de setembro de 2007 | 00h00

O presidente do Conselho de Ética do Senado, senador Leomar Quintanilha (PMDB-TO), admitiu que vai trabalhar para tentar unificar pelos menos duas das três representações em curso contra o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), na reunião de amanhã do órgão. Na semana passada, Quintanilha tinha se posicionado contra a possibilidade de junção dos processos. Ontem, porém, salientou que a unificação poderá agilizar as investigações. A medida, segundo ele, também resolveria outro problema: a dificuldade de encontrar relatores para os processos. "Encontrar um único relator já está difícil, imagina encontrar um para cada processo", ponderou. A posição de Quintanilha tem o apoio de alguns senadores, mas não é bem vista pela oposição. Segundo ele, poderiam ser unificadas as representações de número três e quatro contra Renan e que tratam, respectivamente, da acusação de compra de rádios e jornal por meio de laranjas e a de coleta de propina em ministérios chefiados pelo PMDB. "Unificar a representação da Schincariol seria difícil porque ela já está em outro estágio", afirmou o presidente do Conselho de Ética, referindo-se às investigações sobre o suposto favorecimento da cervejaria, por intermédio de Renan, junto ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e à Receita Federal, depois de a Schincariol ter comprado uma fábrica de refrigerantes da família Calheiros por R$ 27 milhões, quando não valeria mais do que R$ 10 milhões, segundo avaliações de mercado.A posição de Quintanilha tem o apoio de alguns senadores, mas não é bem vista pela oposição. A reunião do conselho amanhã foi marcada para analisar o parecer do relator João Pedro (PT-AM) exatamente sobre o processo relacionado à Schincariol. João Pedro já avisou que pretende pedir a paralisação da matéria diante de um consenso de que seria melhor esperar os resultados das investigações que a Câmara dos Deputados está fazendo sobre a mesma denúncia. A reunião está marcada para as 17 horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.