'Quero dizer para os ‘istas’: Não sou candidato a nada', diz Doria em discurso

'Quero dizer para os ‘istas’: Não sou candidato a nada', diz Doria em discurso

Prefeito age para evitar contaminação da relação com Geraldo Alckmin, seu padrinho político  

Fábio Leite e Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2017 | 18h26

SÃO PAULO - Em um movimento para evitar uma crise política com seu padrinho político, o governador Geraldo Alckmin, o prefeito João Doria fez nesse sábado, 1°, um discurso enfático negando que pretende ser candidato em 2018.    

“Quero dizer para os ‘istas’: não sou candidato a nada. Não sou candidato a governador ou presidente, sou candidato a continuar sendo um bom prefeito”, afirmou o tucano durante a inauguração de um parque no Campo Belo, Zona Sul de São Paulo.

No fim do evento, Doria reforçou a promessa aos jornalistas presentes.  “Fui eleito para quatro anos. Vou cumprir esse mandato”. 

Reportagem publicada na edição deste sábado do Estado mostrou que Doria e seus aliados estão preocupados com o “fogo amigo” do PSDB deflagrado depois que ele começou  como possível candidato à Presidência da República.

Após determinar uma ‘lei do silêncio’ sobre o tema para seus auxiliares e aliados, Doria passou a agir para evitar a contaminação de sua relação com Alckmin, que é pré-candidato ao Palácio do Planalto.

Com o objetivo de demonstrar que prefeito e governador continuam próximos e afinados, secretários estaduais e municipais vão inaugurar, nesta segunda-feira, 3, duas parcerias simultâneas: a retomada do projeto Córrego Limpo, de despoluição, e o programa Redenção, na região da Cracolândia, no centro de São Paulo. 

O ponto alto, porém, será uma reunião no dia 10, quando a gestão Doria completa 100 dias, com a presença do prefeito, governador e todos os secretários municipais e estaduais. Nesta segunda-feira, 3, Doria, Alckmin e o presidente Michel Temer jantarão no Palácio dos Bandeirantes com a rainha Sílvia, da Suécia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.